Editorial da revista nº49, Maio 2021

Regra geral, quando chamados a associar vinho e tempo, de imediato pensamos na forma como o primeiro se comporta na garrafa com o passar dos anos, na sua curva de crescimento, na fase de aquisição de complexidade, na fase de declínio, no ponto óptimo de consumo. Mas raramente, se é que alguma vez o fazemos, reflectimos sobre a nossa própria evolução enquanto criadores ou consumidores de vinho.

 

A chamada “prova horizontal”, consiste na avaliação de várias marcas ou referências, do mesmo produtor/região e do mesmo ano, e oferece-nos uma excelente oportunidade para perceber as características específicas daquela colheita num determinado local, buscando denominadores comuns do ano vitícola e efeitos distintos consoante a casta, solo, exposição solar ou altitude, por exemplo. Neste modelo, o foco está numa colheita concreta, e é ela que nos transmite a informação que pretendemos.

Por contraponto, a “prova vertical” permite-nos avaliar a mesma referência, do mesmo produtor, ao longo de várias colheitas. “Horizontais” e “verticais” são modelos de prova totalmente diferentes e que visam objectivos distintos. Embora aprecie imenso ir de cuba em cuba, numa adega, provando os vinhos do ano acabadinhos de fazer, confesso que prefiro as provas verticais, sobretudo quando estou perante uma marca com larga história e muitas colheitas para apresentar. E a principal razão desta preferência tem a ver com o factor tempo, que pode ser abordado de múltiplas formas.

Claro que, numa primeira linha de avaliação, está o comportamento do vinho na garrafa e a forma como superou (ou não) a prova do tempo. É interessantíssimo verificar como, na grande maioria dos casos (sobretudo se estivermos perante uma marca/referência de nível superior), os vinhos (brancos ou tintos) precisam de tempo para atingir o seu auge. Mas nem sempre essa ascensão qualitativa é uniforme, ou previsível. Acontece muitas vezes enfrentarmos uma colheita jovem precocemente envelhecida e outra bem antiga e surpreendentemente jovem. É a magia do vinho a funcionar.

No entanto, numa prova vertical, gosto igualmente de imaginar o que ia na cabeça do produtor/enólogo durante vindima, qual era a sua abordagem, que vinho pretendia fazer há cinco, dez, quinze, vinte anos. Se pensarmos nas avassaladoras mudanças que o mundo do vinho tem atravessado em espaços temporais relativamente curtos, mudanças ao nível da produção (viticultura, enologia, tecnologia, conceitos) e ao nível do mercado (gosto do consumidor, comercialização, modas e tendências) facilmente chegamos à conclusão, tantas vezes evidenciada pela sequência de vinhos que temos nos copos, de que a abordagem do criador ao vinho foi mudando ao longo do tempo. O que nos leva a uma constatação ainda mais complexa: no caso de vinhos que levam vários anos em cave até chegarem ao mercado, como acontece com alguns tintos e espumantes mais ambiciosos, o perfil do vinho que acabámos de comprar na loja pode já nem sequer corresponder inteiramente àquilo que o seu produtor/enólogo entende hoje como o perfil ideal para o seu produto.

O mesmo se passa, claro, com o nosso comportamento enquanto consumidores. O tempo muda a forma como olhamos para um vinho. E fá-lo de forma tão gradual e subtil que, frequentemente, nem damos por isso.  Falo por mim: vinhos que adorei há duas décadas continuam a extasiar-me hoje, sempre que vou à cave e abro uma garrafa; e outros que avaliei bem alto há apenas 7 ou 8 anos, já pouco me dizem. Dou por mim a abrir a garrafa, provar, e despejar na pia. Não porque o vinho tenha perdido qualidades, longe disso. Embora mais velho, continua muito bom, exactamente como eu o descrevi na altura. Mas, vá lá saber-se porquê, já não me apetece, não me entusiasma, não mexe comigo, não me dá prazer. As coisas que o tempo faz…

Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário