Destinos

Toda a diversidade do Tejo

By 19 Dezembro, 2019 Sem comentários

Aventurarmo-nos pelo Tejo enoturístico arrisca-se sempre a ser uma experiência incompleta, se a ideia for abarcar numa só tirada toda a realidade de uma região tão vasta e diversificada. Desta vez, porém, fomos à procura de casos especiais. Porque o Tejo descobre-se um bocadinho de cada vez, devagar, ao ritmo das águas do maior rio da Península Ibérica.

TEXTO Luís Francisco
FOTOS Ricardo Gomez

Antes de mais, uma confissão. O título desta reportagem é manifestamente exagerado: ninguém consegue abarcar toda a diversidade da região vitivinícola do Tejo em dois dias. Na verdade, o que procurámos fazer foi ir à procura de locais que simbolizassem toda essa variedade de solos, microclimas, paisagens e realidades que dão origem a um mosaico de vinhos tão diverso. Nesse sentido, o que este título pretende salientar é essa riqueza, pegando em dois exemplos de como o Tejo tem sempre mais qualquer coisa para descobrir.

Antes de mais, a região é bastante grande: 17 mil hectares de vinha produzem cerca de 650 mil hectolitros de vinho, qualquer coisa à volta de dez por cento do total nacional. De Mação, a Leste, até Rio Maior, a Oeste. De Ferreira do Zêzere, a Norte, até Benavente e Coruche, a Sul. Sempre com o rio Tejo como espinha dorsal, a região abarca paisagens acidentadas e lezírias planas, zonas mais urbanas e outras de agricultura intensiva. E um dos pontos de união de todas estas peças do puzzle é o vinho.

No Tejo as vinhas fazem parte da paisagem e da vida das pessoas há milénios. Embora não haja evidências científicas absolutamente incontestadas, estima-se que se terá feito vinho em Portugal pela primeira vez por volta de 2000 a.C., pela mão dos Tartessos, a primeira grande civilização da Península Ibérica, varrida do mapa no século VI a.C. pelos Cartagineses e cuja capital se situaria no estuário do rio Guadalquivir. À boleia de contactos comerciais, a vinha terá começado a ser plantada nos vales do Tejo e do Sado há cerca de quatro mil anos.

Daí para cá, muita água passou por estes dois grandes rios da península, mas o vinho manteve-se sempre à tona. Na região do Tejo, no entanto, a longa história não chegou para manter o prestígio dos seus néctares, associados durante décadas à ideia de quantidade e não à qualidade. Produzia-se (e produz-se) muito no Tejo e muitos produtores, engarrafadores ou vendedores a granel de todo o país encontravam aí forma de compor os seus lotes. O vinho do Tejo estava em todo o lado, mas não tinha assinatura.

Os últimos anos trouxeram um movimento de recuperação do estatuto dos vinhos do Tejo, que procuram afirmar a sua qualidade e diversidade no panorama nacional. Para já, apenas cerca de 15 por cento (110 mil hectolitros) da produção é certificada, mas estes números estão em crescendo. E a qualidade vai-se afirmando.

O charme da fidalguia

A proximidade e a facilidade de acesso a partir de Lisboa (navegando o Tejo) levaram a que muitas famílias da aristocracia se virassem para esta região como zona de tempos livres. Nasceram as quintas e os palacetes, respirava-se o ar puro do campo em vez das pestilências da cidade, organizavam-se caçadas, criavam-se cavalos, realizavam-se touradas, comia-se, bebia-se e convivia-se em belas e românticas propriedades, algumas das quais conservaram todo o seu charme até aos dias de hoje.

E é aqui que o enoturismo entra, e em força. Um pouco por toda a região – a uma distância confortável de Lisboa e mais perto do Norte dada a sua posição central no país – produtores de vinho perceberam que os enoturistas hoje em dia são, essencialmente, turistas. Ou seja, não querem apenas conhecer adegas e provar vinhos. A experiência do vinho e da comida pode e deve estar associada a outros argumentos de sedução.

Um dos locais que visitámos nesta reportagem, a Quinta de Vale de Fornos, na Azambuja, é bem um exemplo disso mesmo: naqueles edifícios as forças francesas montaram quartel-general durante as invasões do século XIX e há quem defenda (numa versão ainda rodeada de alguns pontos de interrogação) que Cristóvão Colombo ali pernoitou – e talvez tenha mandado rezar missa – quando regressou das Américas e foi a Vale do Paraíso para se encontrar com D. João II.

Vale de Fornos tem ainda outra característica curiosa, esta directamente ligada ao universo vínico: nos seus 50 hectares de vinha, metade dos quais estão actualmente em remodelação, podemos encontrar os três terroirs típicos do Tejo: o Bairro, característico da margem direita do rio; o Campo, bordejando a linha de água; e a Charneca, na margem esquerda. Em si só, é um retrato da região, mas, curiosamente, podia nem ser, porque a sua localização coloca a propriedade mesmo na fronteira com a região vitivinícola de Lisboa. Foi dada aos proprietários a possibilidade de optar por uma delas e assim se decidiu que seria Tejo.

Um pouco mais a Norte, em Almeirim, também a Falua tem um contributo para dar à diversidade da região. Os solos do Tejo são maioritariamente constituídos por argilo-calcários na margem direita, mais acidentada; por aluviões, no leito do rio e seus afluentes; e por areias, na margem esquerda. Há também uma mancha de xistos perto de Tomar. E, depois, há a Vinha do Convento. Quatro metros de profundidade de pedra rolada, anacronicamente localizada numa colina, longe do curso do Tejo. Uma paisagem singular, talvez única em Portugal. Vamos até lá.

FALUA

Fundada em 1994 por João Portugal Ramos, um dos nomes incontornáveis da história moderna do vinho português, a Falua passou entretanto a ser controlada maioritariamente pelo grupo agro-industrial francês Roullier, que aqui fez o seu primeiro grande investimento mundial no sector vitivinícola. Mas se a história é relativamente curta, essa contemporaneidade permite à empresa ter instalações modernas e muito funcionais, construídas de raiz aquando do lançamento do projecto. Adequar essa lógica de produção ao apelo enoturístico é agora um dos desafios deste grande (mais de seis milhões de garrafas/ano) produtor do Tejo.

O edifício cinzento-metalizado situado na zona industrial de Almeirim não é, manifestamente, um château… Mas há muito para descobrir lá dentro. Da sala da recepção passamos à nave das barricas, separada da zona social por uma parede em vidro e com acesso à adega do outro lado. O pé alto generoso, a ausência de luz exterior directa e uma climatização exemplar cumprem a dupla função de proporcionar excelentes condições de estágio para os vinhos e criar uma atmosfera especial.

Passeamos pelo meio das barricas e desembocamos na adega, primeiro na zona dos balseiros em madeira, depois através das alamedas de depósitos em inox. A higiene é aqui levada muito a sério, por opção da casa e por imposição das especificações internacionais que estão associadas à exportação para o Reino Unido. O resultado é impecável: não se vê nada fora do sítio, o chão está sempre a brilhar e toda a gente cumpre escrupulosamente as regras de limpeza – o que implica, por exemplo, que haja balneários com chuveiro para os funcionários.

Subimos ao andar de cima, para a sala de provas e refeições, também ela ligada visualmente à nave de barricas por uma parede de vidro. Duas grandes mesas em madeira dominam o espaço, onde também pontifica um ecrã para passar vídeos promocionais. Do lado oposto às barricas, uma varanda abre-se sobre a fachada do edifício. Num terreno lateral, a Falua plantou uma vinha pedagógica, com todas as castas cultivadas pela casa. E são bastantes, em 68 hectares de vinha própria, mais 250 sob gestão, em colaboração com os proprietários.

Mas é no campo que está a impressão mais forte. Ali a dois ou três quilómetros, visitamos a Vinha do Convento, uma extensão de 40 hectares agora cortada pela A13 que desafia a imaginação. Estamos a uns três quilómetros do curso actual do Tejo, mas percebe-se que o rio, em tempos, teve outros planos. A vinha cresce numa colina cujo solo é formado por pedra rolada, típica dos leitos de água corrente, e foi plantada de origem – e à mão – num terreno vazio quando a Falua foi fundada. Uma loucura que deu à região do Tejo um terroir único.

FALUA
Zona Industrial, Lote 56, Almeirim
Tel: 243 594 280
Mail: falua@falua.net
Web: www.falua.net

As instalações da empresa estão abertas das 9h30 às 12h30 e entre as 14h e as 17h30. As visitas são agendadas mediante marcação prévia e custam 10 euros por pessoa (visita ao centro de vinificação e sala de barricas, mais prova de três vinhos (gamas Conde de Vimioso e/ou Falua); ou 15 euros por pessoa (inclui ainda visita à Vinha do Convento e prova de cinco vinhos das gamas já mencionadas). No menu há também um Curso de Iniciação à Prova de Vinhos (8 vinhos das gamas Conde Vimioso e Falua), que custa 25 euros por pessoa.

Classificação

Originalidade (máx. 2): 2
Atendimento (máx. 2): 2
Disponibilidade (máx. 2): 1,5
Prova de vinhos (máx. 3): 2,5
Venda directa (máx. 3): 2,5
Arquitectura (máx. 3): 2,5
Ligação à cultura (máx. 3): 2
Ambiente/Paisagem (máx. 2): 1,5

AVALIAÇÃO GLOBAL: 16,5

QUINTA VALE DE FORNOS

Ali a pouco mais de duas dezenas de quilómetros, na outra margem do rio, a paisagem não podia ser mais diferente. Da modernidade para a tradição, do cascalho rolado para uma variedade de terrenos, dos horizontes abertos para uma paisagem ondulada. Uma alameda arborizada com vinha de ambos os lados conduz-nos a um complexo de edifícios de cor ocre. Um enorme cão dormita lá ao fundo, à nossa frente um portão fechado deixa entrever um terreiro com árvores delimitado por construções térreas e um bloco de maiores dimensões ao fundo.

Há uma porta aberta e por ela entramos no Douro. Perdão, na adega. Mas é tão forte a sensação de estarmos mais a Norte, perante a visão de lagares em granito (escavados à mão no local a partir de ciclópicos blocos únicos) e da organização do espaço, que é quase sem surpresa que ficamos a saber que tudo isto é obra dirigida pela mão certeira de D. Adelaide Ferreira, a Ferreirinha, que ofereceu a Quinta de Vale de Fornos à filha como prenda de casamento. Num dos cantos desta adega velha, ligando com um varandim que permite vista desafogada sobre os gigantescos balseiros (que em breve serão inspecionados, para se saber se podem ser usados), está uma porta que leva directamente à entrada principal da casa. Aqui, o vinho era parte do dia-a-dia.

Descemos as escadas e percebemos pormenores como a existência de um poço e de uma lareira, truques de antanho para climatizar o espaço. As grandes traves em madeira do tecto voltam a trazer-nos o Douro à memória. E saímos para os jardins do palacete, onde, nem de propósito, um faisão se pavoneia nos relvados. O jardim, plantado em socalcos, sobe na direcção da casa principal e estende-se, lateralmente, para a zona de eventos, um grande pavilhão e o pequeno edifício da loja encavalitando-se na encosta sobranceira ao tapete de relva.

Antes passámos por uma velha destilaria, onde varandins em madeira, alambiques antigos, caldeiras e depósitos de água convivem num equilíbrio instável. Espreitamos as vinhas que se estendem, ora em encosta, ora em vales mais férteis. E pressentimos o Tejo lá ao fundo, para lá do vale da entrada da propriedade e por onde sopram constantes as brisas mais frescas que ajudam a temperar o clima mais quente no Verão.

A casa produz quatro tintos e dois brancos – e os vinhos estão agora sob gestão da empresa Encostas de Alqueva, que aqui descobriu um enorme potencial para néctares estruturados e complexos, lotes em que se conjugam castas portuguesas e estrangeiras, mais um varietal de Syrah. Sentemo-nos, portanto, à sombra destas construções seculares, apreciando o silêncio e recordando a história e as histórias do local. De copo na mão, como convém.

QUINTA VALE DE FORNOS
Rua da Olaria, nº48, Azambuja
Tel: 263 402 105 / 919 544 548
Mail: eventos@quintavalefornos.com
Web: www.quintavalefornos.com

A quinta está aberta todos os dias (9h-12h30 e 14h-17h30 aos dias de semana; 10h-17h aos sábados e domingos), excepto nos principais feriados. Exige-se marcação prévia. O leque de opções abre com a prova de vinhos (três vinhos – 7,5 euros por pessoa) e a prova de vinhos com queijos (três vinhos – 15 euros), passando a 20 euros com visita à adega ou vinhas. Almoços e jantares por 30 euros (mínimo 20 pessoas). Almoço com prova de vinhos e visita à adega: 40 euros (mínimo 15 participantes). É possível fazer passeios a cavalo pela quinta (80 euros meio dia, 125 dia completo) e outras actividades mediante solicitação.

Classificação

Originalidade (máx. 2): 2
Atendimento (máx. 2): 2
Disponibilidade (máx. 2): 1,5
Prova de vinhos (máx. 3): 2,5
Venda directa (máx. 3): 2
Arquitectura (máx. 3): 3
Ligação à cultura (máx. 3): 2,5
Ambiente/Paisagem (máx. 2): 2

AVALIAÇÃO GLOBAL: 17,5

ESTAÇÃO DE SERVIÇO

No Verão os dias são mais longos e convém não descurar o abastecimento sólido, por mais que o calor peça líquidos – o ideal é mesmo conjugar os dois. Nesta volta pelo Tejo, e porque o panorama gastronómico da região tem evoluído de forma sensível, não haverá dificuldade em encontrar boas mesas, mas em jeito de ajudinha aqui ficam três sugestões. Em Santarém, a conjugação dos sabores tradicionais com uma apresentação moderna torna o Ho!Vargas um local altamente recomendável. Em Almeirim, será pecado não “atacar” uma sopa da pedra e o local para o fazer é o Tertúlia da Quinta. Se procura algo mais leve, em Aveiras tem o AveiraMariscos, que não se fica apenas pelos frutos do mar… Bom apetite.

  • OH!VARGAS – EN3, nº30, Portela das Padeiras, Santarém | Tel: 910 260 743 | Mail: reservas@ohvargas.pt
  • TERTÚLIA DA QUINTA – Largo da Praça de Touros, nº 37ª, Almeirim | Tel: 243 593 008
  • AVEIRAMARISCOS – Largo dos Combatentes, nº15, Aveiras de Cima, Azambuja | Tel: 263 475 381 | Mail: info@aveiramariscos.com.pt

Edição nº29, Setembro 2019

Escreva um comentário