Grande Prova

Douro tinto, a hora dos magníficos

By 19 Dezembro, 2019 Sem comentários

São grandes tintos do Douro, mas são sobretudo grandes vinhos em qualquer parte do mundo. Em poucas décadas, muitos dos vinhos não fortificados da região saíram de um quase anonimato para se tornarem nomes distinguidos pelos apreciadores de todo o mundo. A viticultura de montanha e a enorme diversidade da região fazem do Douro um cadinho onde se constrói a excelência.

TEXTO João Paulo Martins
FOTOS Ricardo Palma Veiga

A região do Douro parece ter um íman, algo que atrai de forma irresistível quem se aproxima. Não são só os visitantes turistas, são também os profissionais do sector, sejam eles jornalistas, sommeliers, importadores, distribuidores e todos os apreciadores de vinho. A paisagem e as qualidades naturais da região para originar um grande vinho são razões que bastam para que a tal atracção não tenha parado de crescer nos últimos anos. É verdade que há um “visitante de raspão” que passa sem verdadeiramente entrar na região, que vê a paisagem do seu barco de turismo e que não chega a entender nada de nada, mas, e ainda bem, há cada vez mais turistas que querem ver, falar, palmilhar caminhos e descobrir os vinhos do Douro. Para um turismo de qualidade requer-se uma oferta que lhe corresponda e o Douro tem conhecido um enorme desenvolvimento neste campo. Todos beneficiam com isso. O tema da atracção poderia estender-se a uma quantidade de produtos que se dão muito bem na região, desde o azeite aos produtos hortícolas, dos citrinos aos frutos secos. Terra abençoada dizem uns, terra difícil e muitas vezes ingrata dizem os que lá vivem.

A produção de vinho DOC Douro interessa cada vez a mais produtores que tradicionalmente já eram produtores de uvas para Porto. Não se estranha assim que surjam constantemente novas marcas que procuram entrar no mercado em patamares elevados de preço, o que não é fácil. Não é fácil vender, desde logo por falta de empresas de distribuição dispostas a agarrar mais uma marca; e o consumidor precisa de reconhecer uma qualidade continuada à marca para estar disponível para pagar caro por uma garrafa. Muitos desses vinhos são editados em quantidades muito limitadas que, por outro lado, não chegam a todo o país. O tema é de difícil resolução e a oferta de vinhos DOC Douro a preços elevados é muito, muito grande. A qualidade poderá amplamente justificar o que se paga, mas esse não é o único factor a ter em conta na formação do preço de uma garrafa de vinho.

A região continua a produzir mais Vinho do Porto do que DOC Douro, com o Cima Corgo a ser a principal sub-região, logo seguida pelo Baixo Corgo e, bem mais abaixo, o Douro Superior. No total falamos, dados relativos a 2018, de cerca de 38,5 milhões de litros, sensivelmente metade do que a região produz em Vinho do Porto. Já em termos de vinho comercializado, o Douro já suplantou o Porto em virtude da lei do terço que obriga os operadores do Vinho do Porto a apenas poderem comercializar 1/3 do stock. Os vinhos IG Duriense (que conhecemos pelo nome de Vinhos Regionais) têm aqui uma expressão muito pequena, principalmente se comparados com outras regiões do país. Do ponto de vista das variedade de uva utilizadas, as principais são as tradicionais (ver caixa) e as castas vindas de fora (da região ou do país) são raramente plantadas. Temos assim uma área de vinha de cerca de 40 000 hectares aptos à produção de vinhos Douro e um pouco mais de mil agentes (1.082), que vão dos pequenos produtores-engarrafadores aos armazenistas (engarrafadores não vinificadores) e grandes empresas produtoras.

Da produção ao comércio

Os vinhos DOC Douro não são dos mais consumidos entre nós (estão bem atrás do Alentejo e Vinho Verde, por exemplo) mas são dos que têm mais procura em alguns segmentos do mercado, nomeadamente na gama média/alta dos apreciadores. Jaime Vaz, da Garrafeira Nacional em Lisboa, tem cerca de 500 referências de vinhos do Douro. Neste número incluem-se, naturalmente, várias colheitas da mesma marca (Pintas, Quinta do Vale Meão, por exemplo) e se pensarmos apenas em marcas diferentes, diz-nos Jaime, serão cerca de 400. O negócio de uma garrafeira é bem diferente do de uma grande superfície e aqui vêm sobretudo consumidores que são conhecedores e estrangeiros que procuram os grandes nomes da região. Não se estranha assim que cerca de metade dos vinhos que estão disponíveis nas prateleiras se situem numa gama de preço acima dos €40. A procura tem crescido, têm sido acrescentadas novas marcas mas nada que “dê vazão” à quantidade enorme de produtores que aparecem na loja com a expectativa de ali poderem vender os seus vinhos. As mais recentes entradas na lista da Garrafeira Nacional contemplam a Quinta da Vacaria, Quinta da Zaralhôa, Quinta do Côtto e Quinta do Vale da Perdiz (marca Cistus). Conseguir vender é o enorme desafio dos pequenos produtores.

O negócio dos vinhos na região tem matizes que se têm alterado, tal como as condições climáticas. Tradicionalmente a zona do Baixo Corgo – fértil e com grande pluviosidade – era sobretudo a região onde se faziam vinhos do Porto das entradas de gama, onde se colhiam uvas com baixa graduação e pouca estrutura. A situação está a alterar-se com as mudanças climáticas e, ironicamente, para melhor. Segundo Paulo Ruão, enólogo da empresa Lavradores de Feitoria, a diminuição da chuva no Baixo Corgo veio a beneficiar os vinhos e, onde antes se encontravam vinhos com 11% de álcool hoje vendem-se com 13% e, mais importante, “os vinhos têm mais estrutura também por via de uma melhor viticultura; na zona de Mesão Frio, que está a ser cada vez mais procurada, conseguem-se comprar hoje vinhos de uma qualidade muito superior à que estávamos habituados há apenas 5 anos”. Este fenómeno liga-se directamente às alterações climáticas e, ainda segundo Paulo Ruão, “o desafio do futuro próximo é muito mais a adaptação das melhores castas do que a introdução da rega”.

É também esta a opinião de Manuel Vieira, enólogo consultor, que não se mostra muito preocupado com o futuro uma vez que “há que tirar partido do património de castas que temos e escolher as que melhor possam responder; também a localização das vinhas passará a ter uma importância fundamental e as encostas viradas a norte e as vinhas em altitude que outrora eram consideradas zonas menores, terão no futuro um papel fundamental”. Neste novo quadro é possível que se tenha de tomar mais atenção aos porta-enxertos, escolhendo sobretudo os mais resistentes à seca (que eram os que tradicionalmente e usavam na região) e é provável que algumas castas tendam a perder importância, como a Tinta Barroca, Tinta Amarela e Tinta Roriz. Ainda sobre o tema das castas, quer Manuel Vieira quer Paulo Ruão concordam com a capacidade da Touriga Nacional para responder a estes desafios mas há menos certezas em relação a castas que têm sido muito faladas como a Sousão, que precisa de clima fresco, como nos Verdes (Ruão) e a Alicante Bouschet que produz bem mas ainda é cedo para se perceber se será casta com muito futuro. E castas que antes amadureciam mal (como a Tinta Francisca) estão agora a dar muito boa resposta.

Há aqui um enorme desafio que se coloca às empresa e produtores: pesquisar, estudar e compreender muitas das castas antigas que estiveram “em arquivo” e apenas presentes nas vinhas velhas e que poderão responder bem às mudanças do clima. A região tem, no entanto, uma enorme vantagem, como salienta Paulo Ruão: o solo xistoso que permite a passagem das raízes entre os fragmentos da rocha e a capacidade do xisto de conservar alguma frescura mesmo em ambiente de pouca pluviosidade, são grandes vantagens, é algo de muito original no Douro”.

O negócio dos vinhos na região tem matizes que se têm alterado, tal como as condições climáticas. Tradicionalmente a zona do Baixo Corgo – fértil e com grande pluviosidade – era sobretudo a região onde se faziam vinhos do Porto das entradas de gama, onde se colhiam uvas com baixa graduação e pouca estrutura. A situação está a alterar-se com as mudanças climáticas e, ironicamente, para melhor. Segundo Paulo Ruão, enólogo da empresa Lavradores de Feitoria, a diminuição da chuva no Baixo Corgo veio a beneficiar os vinhos e, onde antes se encontravam vinhos com 11% de álcool hoje vendem-se com 13% e, mais importante, “os vinhos têm mais estrutura também por via de uma melhor viticultura; na zona de Mesão Frio, que está a ser cada vez mais procurada, conseguem-se comprar hoje vinhos de uma qualidade muito superior à que estávamos habituados há apenas 5 anos”. Este fenómeno liga-se directamente às alterações climáticas e, ainda segundo Paulo Ruão, “o desafio do futuro próximo é muito mais a adaptação das melhores castas do que a introdução da rega”.

É também esta a opinião de Manuel Vieira, enólogo consultor, que não se mostra muito preocupado com o futuro uma vez que “há que tirar partido do património de castas que temos e escolher as que melhor possam responder; também a localização das vinhas passará a ter uma importância fundamental e as encostas viradas a norte e as vinhas em altitude que outrora eram consideradas zonas menores, terão no futuro um papel fundamental”. Neste novo quadro é possível que se tenha de tomar mais atenção aos porta-enxertos, escolhendo sobretudo os mais resistentes à seca (que eram os que tradicionalmente e usavam na região) e é provável que algumas castas tendam a perder importância, como a Tinta Barroca, Tinta Amarela e Tinta Roriz. Ainda sobre o tema das castas, quer Manuel Vieira quer Paulo Ruão concordam com a capacidade da Touriga Nacional para responder a estes desafios mas há menos certezas em relação a castas que têm sido muito faladas como a Sousão, que precisa de clima fresco, como nos Verdes (Ruão) e a Alicante Bouschet que produz bem mas ainda é cedo para se perceber se será casta com muito futuro. E castas que antes amadureciam mal (como a Tinta Francisca) estão agora a dar muito boa resposta.

Há aqui um enorme desafio que se coloca às empresa e produtores: pesquisar, estudar e compreender muitas das castas antigas que estiveram “em arquivo” e apenas presentes nas vinhas velhas e que poderão responder bem às mudanças do clima. A região tem, no entanto, uma enorme vantagem, como salienta Paulo Ruão: o solo xistoso que permite a passagem das raízes entre os fragmentos da rocha e a capacidade do xisto de conservar alguma frescura mesmo em ambiente de pouca pluviosidade, são grandes vantagens, é algo de muito original no Douro”.

Desafios de futuro

Nos anos mais recentes a região conheceu um novo problema que em 2018 assumiu contornos de tragédia: a escassez de mão de obra na vindima. Os relatos que nos chegaram de produtores que queriam vindimar, tinham gente contratada e que no dia acordado tinham 5 pessoas quando tinham contratado 20 (este número é um mero exemplo) mostra bem o drama que se está a viver. O recurso a mão de obra estrangeira contratada apenas para a vindima não só é, dizem-nos, complicada do ponto de vista legal como tudo se agudiza por serem trabalhadores que vêm de países não produtores que de vinha nada percebem e de vinho não consomem. A solução, ainda com Paulo Ruão, tem duas direcções: pagar melhor a mão de obra e “já em 2019 notámos que por termos aumentado a jorna, tivemos menos dificuldade nos vindimadores e, nas zonas onde for possível, introduzir a máquina de vindimar”. As primeiras experiências no sentido da mecanização da vindima foram feitas pelo grupo Symington e os resultados são animadores. A Lavradores de Feitoria já usou este ano a vindima mecânica na zona vitícola do palácio de Mateus e os resultados, segundo Ruão, foram excelentes: “poder vindimar no dia e na hora que se quer, inclusivamente de noite, é um avanço tremendo; já estamos a rentabilizar a máquina alugando a produtores da zona.”

Charles e Rupert Symington estão a utilizar máquinas de vindimar em zonas difíceis com resultados animadores, sobretudo em patamares de um bardo. Não vai decorrer muito tempo para que se veja a replicação destas experiências.

Uma prova de excelência

Os vinhos que provámos são do melhor que se faz na região e em Portugal. Seria impossível estarem todos na nossa mesa de provas, mas percebe-se muito facilmente porque a região do Douro interessa a cada vez mais wine writers, winemakers, sommeliers e investidores estrangeiros. A originalidade do terroir do Douro é transmitida ao vinho e o que aqui tivemos é uma espécie de “passeio da fama” onde desfilam vinhos de enorme qualidade e carácter, vinhos que nos entusiasmam vivamente. O preço elevado a que muitos são vendidos é a certidão do reconhecimento nacional e internacional e reflecte a relação entre a oferta e a procura. São vinhos de excelência de uma região que, apesar dos desafios que enfrenta, atingiu já um elevadíssimo patamar. Sabendo que, com as condições de solo, clima, património varietal e sobretudo, dinamismo e talento dos seus viticólogos, enólogos e produtores, muito tem ainda para descobrir, crescer e oferecer aos apreciadores.

As tourigas e as outras

Tal como acontece com outras regiões, o Douro tem um universo muito extenso de variedades que podem entrar na composição dos lotes, quer de brancos quer de tintos. Nas vinhas velhas encontramos uma proliferação enorme de castas, algumas delas “esquecidas”, mas actualmente a conhecerem mais notoriedade, como a Alicante Bouschet, a Tinta Francisca, Tinta da Barca ou Tinta Carvalha, por exemplo. No entanto, apesar da escolha ser enorme, a verdade é que a história e a tradição foram impondo como mais importantes um conjunto relativamente restrito de castas. São estas que constituem a espinha dorsal dos tintos da região. Em primeiro lugar a Touriga Franca, desde sempre a casta mais plantada, a que mais adaptada está a um clima de intenso calor estival e de produtividade baixa; depois, a Touriga Nacional, com notável “boom” nos anos 90 e que veio a impor-se como casta diferenciadora, cada vez mais casada com a Touriga Franca. Muitos dos vinhos que avaliámos nesta prova resultam de lotes destas duas castas. A Tinta Roriz surge em seguida, já foi mais apreciada, mas continua a ser uma referência, fazendo parte do “núcleo duro” das castas durienses. Menos usada nos vinhos de topo, mas muito presente na região, a Tinta Amarela (Trincadeira). As castas “de tempero” estão a adquirir cada vez mais importância, como Sousão e Tinto Cão, agora acrescentadas das novas variedades renascidas, como a Donzelinho tinto, Bastardo, Casculho ou Malvasia Preta. A Tinta Barroca está tendencialmente a desaparecer dos vinhos DOC Douro sendo apenas usada para fazer Vinho do Porto. A produtividade, apesar de estar autorizada até aos 55hl/hectare, situa-se por norma nos 30 hectolitros, o que mostra a baixa produção que é característica da região.

VINHOS EM PROVA

  • Duas Quintas
    Douro, Reserva, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pintas
    Douro, Tinto, 2017

    19.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Charme
    Douro, Tinto, 2017

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Zom
    Douro, Touriga Nacional, Grande Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pacheca Lagar nº 1
    Douro, Reserva, Tinto, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Foz Torto Vinhas Velhas
    Douro, Tinto, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Poeira 36 barricas
    Douro, Tinto, 2016

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Rola Vinha das Marias
    Douro, Tinto, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Extrema Edição II
    Douro, Tinto, 2016

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Carolina
    Douro, Tinto, 2016

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Borges
    Douro, Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Maritávora
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • João & Maria
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2014

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Cume
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta das Brôlhas
    Douro, Grande Escolha, tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Duorum Old Vines
    Douro, Reserva, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de S. José
    Douro, Reserva, Tinto, 2017

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Terras do Grifo
    Douro, Grande Reservs, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vale de Pios as Tourigas
    Douro, Tinto, 2007

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vértice
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2017

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Flor do Côa
    Douro, Reserva Especial, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Cadão Vinhas Velhas
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2014

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Cottas
    Douro, Reserva, Tinto, 2013

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Fronteira
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2016

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Côrte
    Douro, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Vale Meão
    Douro, Tinto, 2017

    19.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Vallado Field Blend
    Douro, Reserva, Tinto, 2017

    19.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vallegre Vinhas Velhas
    Douro, Reserva Especial, Tinto, 2015

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Romaneira
    Douro, Reserva, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Noval
    Douro, Reserva, Tinto, 2016

    19.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Crasto Vinhas Velhas
    Douro, Reserva, Tinto, 2016

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Velhos Bardos
    Douro, Reserva, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa Velha
    Douro, Reserva, Tinto, 2016

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta dos Lagares VV 44
    Douro, Tinto, 2014

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Castello d’Alba
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2017

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Berta Vinha Centenária
    Douro, Reserva, Tinto, 2012

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vinhas do Cerval
    Douro, Tinto, 2013

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Vesúvio
    Douro, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Maria de Lourdes
    Douro, Tinto, 2016

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Portal
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • La Rosa
    Douro, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Laura
    Douro, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte Cascas Vinhas Velhas
    Douro, Tinto, 2015

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pai Horácio
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta dos Quatro Ventos
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2014

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta dos Murças VV 47
    Douro, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Andreza
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Leda
    Douro, Tinto, 2016

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Pessegueiro Plenitude
    Douro, tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de Ventozelo
    Douro, Tinto, 2016

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Carvalhas
    Douro, Tinto, 2017

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Passagem
    Douro, Reserva, Tinto, 2017

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Lavradores de Feitoria Três Bagos
    Douro, Grande Escolha, Tinto, 2015

    19.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Morvalley
    Douro, Grande Reserva, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Matilde
    Douro, Reserva, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Tecedeiras
    Douro, Reserva, Tinto, 2017

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Gricha
    Douro, Tinto, 2017

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Símbolo
    Douro, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição Nº31, Novembro 2019

Escreva um comentário