Home-SliderNotíciaNotícias

Vindima 2018 deverá ser mais fraca do que a de 2017

By 1 de Agosto, 2018 Sem comentários

As previsões de colheita para 2018 publicadas esta semana pelo Instituto do Vinho e da Vinha (IVV) apontam para uma redução de 3% na produção de uva nesta campanha, o que situará a produção nacional nos 6,5 milhões de hectolitros de vinho, ainda assim um valor “muito próximo da média das cinco últimas temporadas”. A maior parte das regiões apresentará quebras, com as excepções a verificarem-se no Alentejo, Douro, Algarve e Açores.

Entre as zonas mais afectadas pela quebra de produção – que será em grande parte explicada pela proliferação de doenças da vinha, como o míldio e o oídio, que encontraram condições privilegiadas numa Primavera e início de Verão muito húmidos – estão as Beiras (-30% nas Terras da Beira; -17% na Beira Atlântico) e o Dão (-25%). Trás-os-Montes (-15%), Madeira (-11%), Terras de Cister (-10%), Minho (-5%), Tejo (-5%), Lisboa (-5%), Lisboa (-5%) e Península de Setúbal (-5%) também registam quebras, enquanto o Douro manterá a sua produção – na ordem dos 1,449 milhões de hectolitros, que fazem dela a maior região produtora em Portugal). Do outro lado da balança, Algarve (+10%), Alentejo (+15%) e Açores (+20%) terão um bom ano em termos de quantidade.

Estas previsões, no entanto, ficam ainda dependentes da meteorologia. O atraso no ciclo vegetativo das plantas significa que as condições climatéricas nos meses de Agosto e Setembro serão decisivas para o balanço final do ano vitícola.

Escreva um comentário