Home-SliderNotíciaNotícias

‘Vinhos verdes’ celebra os seus prémios em jantar de gala

troféus do concurso Vinhos Verdes 2019

A Sala do Arquivo na Alfândega do Porto recebeu, a 18 de Abril, a Gala anual do Concurso “Os Melhores Verdes” promovida pela Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), que elegeu 12 referências da Região na categoria Ouro, entre 291 amostras a concurso, agrupadas em grandes categorias: Vinhos Verdes Brancos, Rosados, Tintos, de Casta, Colheita Igual ou Inferior a 2016, Espumantes de Vinho Verde, Aguardentes de Vinho Verde e Vinho Regional Minho. No evento foram ainda anunciados os vencedores da prova “Best Of Vinho Verde”, realizada por provadores estrangeiros, e ainda os vencedores de prémio de viticultura.

Concurso “Os Melhores Verdes”
A edição de 2019 fica marcada pelo aumento de vinhos em prova e, em particular, pelo acréscimo de 33% de inscrições nas colheitas anteriores ou do ano de 2016, a sublinhar o crescente potencial de guarda dos vinhos da Região. As categorias Ouro e Prata totalizam 26 vinhos escolhidos em prova cega pelo painel de provadores nacionais, atribuídos ao primeiro e segundo classificados em cada categoria e os prémios Honra aos restantes concorrentes com pontuação igual ou superior a 80 pontos.

“Os Melhores Verdes 2019” com medalha de Ouro (categoria)
Quinta dos Encados Grande Escolha 2018 (Vinho Verde Branco)
Desfiado Reserva 2018 (Vinho Verde Rosado)
Quinta da Samoça Vinhão 2018 (Vinho Verde Tinto)
Dom Ponciano Colheita Seleccionada Alvarinho 2013 (Colheita <2016)
Encosta dos Castelos Alvarinho 2018 (Vinho Verde Alvarinho)
Ardina Colheita Seleccionada Arinto 2018 (Vinho Verde Arinto)
Quinta de Linhares Avesso 2018 (Vinho Verde Avesso)
Vale do Homem Loureiro 2018 (Vinho Verde Loureiro)
Opção Azal 2018 (Vinho Verde de Casta)
Alvarinha (Aguardente de Vinhos Verde)
Muralhas de Monção Branco Reserva Bruto Alvarinho 2015 (Espumante de Vinho Verde)
Quinta de Gomariz Colheita Seleccionada Alvarinho 2018 (Vinho Regional Minho)

O “Best Of Vinho Verde”
A CVRVV convidou ainda críticos e provadores de sete países, selecionados nos principais mercados de exportação do Vinho Verde, para avaliar e eleger os “Best Of Vinho Verde” do ano. Resultante da votação de um júri composto por Jo Wessels (Alemanha), Ricardo Castilho (Brasil), Karyne Duplessis Piché (Canadá), Søren Frank (Dinamarca), MW Roger Bohmrich (Estados Unidos), Yoshiko Takahashi (Japão) e Evguény Shamov (Rússia), o “Best Of 2019” escolheu cinco vinhos destinados à promoção nos mercados externos que são uma vitória unânime da casta Alvarinho da sub-Região de Monção e Melgaço. De facto, foram estes os vencedores:
Valados de Melgaço Reserva Alvarinho 2017
Encosta dos Castelos Alvarinho 2018
Dom Ponciano Colheita Seleccionada Alvarinho 2013
Vinha Antiga Escolha Alvarinho 2017
Portal do Fidalgo Alvarinho 2018

Prémios de Viticultura
Na Cerimónia foram também anunciados os prémios “A melhor Vinha 2019”, atribuindo três prémios Ouro à Quinta da Calça (Esposende), à Quinta de Ornellas (Amares) e ao Solar das Bouças (Amares) entre 15 vinhas inscritas. O prémio de “Melhor Viticultor do ano” foi entregue a João Tomás (Quinta da Calça) e a Quinta de Santiago foi reconhecida com o prémio “Vinha e Ambiente”.

“A Região tem feito uma aposta crescente na promoção da marca Vinho Verde com um posicionamento que remete para vinhos de gama premium. Acabámos de lançar uma campanha que pretende conquistar o consumidor que valoriza vinhos mais estruturados, mais encorpados, mais complexos e com potencial de guarda, como verificamos nesta edição do Concurso, que regista um aumento da inscrição de referências iguais ou anteriores a 2016”, refere Carla Cunha, Directora de Marketing da CVRVV.
“Um enorme orgulho pelos vinhos aqui premiados. O último ano foi muito difícil, pois ninguém esquece o calor tremendo que tivemos no início de Agosto e que muito afectou as colheitas. Porém, a Região foi capaz de apresentar grandes vinhos. Uma referência especial para uma categoria que se afirma, a dos Vinhos com mais de dois anos de estágio, que vem confirmar que os grandes Vinhos Verdes não precisam de ser bebidos no ano de produção; aliás, só ganham com algum tempo de estágio”, destaca Manuel Pinheiro, Presidente da CVRVV.

Escreva um comentário