Grande ProvaHome-Slider

Warre’s: A história de um LBV diferente

By 27 de Julho, 2022 Sem comentários

Nos últimos 50 anos o LBV – Late Bottled Vintage – ganhou muito espaço no conjunto das categorias do vinho do Porto e, actualmente, quer as grandes empresas, quer os pequenos produtores, assumiram a produção anual deste tipo de Porto. Mas, no meio deste de todas estas marcas, Warre’s e Smith Woodhouse alcançaram um lugar especial. Fomos saber porquê.

Texto:João Paulo Martins

Fotos: Anabela Trindade/Symington

Comecemos pelo princípio e pelo conceito, uma vez que há alguma confusão no que diz respeito à origem e história desta categoria de vinho do Porto. Por definição, um LBV é um Porto de muito boa qualidade – faz parte das categorias especiais – que é engarrafado entre o 4º e 6º ano a seguir à vindima (data-limite do engarrafamento: 31 de Dezembro do 6º ano). Neste particular distingue-se do Vintage, uma vez que este tem de ser engarrafado entre o 2º e o 3º ano após a colheita. Até aqui não parece haver dúvidas e os consumidores há muito que estão familiarizados com este perfil de Porto. A distinção entre os dois – Vintage e LBV – pode ser de vária ordem; por norma o LBV é mais acessível no perfil, menos concentrado, menos taninoso e, por isso, bebível mais cedo. Mas (há sempre um mas…) o LBV originalmente podia ter sido um Vintage, caso tivesse cumprido a regra da data do engarrafamento. Quer isto dizer que, quando novo, o LBV pode apresentar-se tão poderoso e concentrado como um Vintage mas os 4 anos de estágio amaciam os taninos e levam a um polimento originado pelo estágio em balseiro. Ao Vintage pede-se tempo para que o estágio em garrafa faça o seu papel, no LBV parte desse trabalho está feito quando é engarrafado.

A história do Porto Vintage tem, no entanto, alguns segredos escondidos. O que se passou durante décadas foi que alguns vintages, em vez de serem engarrafados ao 2º ano, eram colocados na garrafa mais tarde. Chamavam-se assim Vintage Late Bottled, exactamente porque não tinham data certa para serem embotelhados. Recordemos que durante grande parte do séc. XX o vintage era exportado em pipa e que competia ao importador proceder ao engarrafamento. Ora esse engarrafamento não tinha data certa para ser feito e os vinhos não tinham, de resto, o selo do então chamado Instituto do Vinho do Porto. Foi só a partir de 1970 que, por força da legislação, passou a ser proibido exportar o vintage em casco, sendo obrigatoriamente engarrafado em Portugal e com selo do Instituto. Assim, o 70 foi o último vintage que ainda foi parcialmente exportado em pipa. Recordo-me de já ter encontrado fora de portas, nomeadamente nos Estados Unidos, vintages dos inícios dos anos 60 sem selo aposto nas garrafas. Embora apressadamente se pudesse pensar que se trataria de uma fraude, em boa verdade não era, uma vez que eram vinhos que tinham chegado ao destino ainda em casco.

Esses Vintages Late Bottled (ver foto) sempre existiram no sector. A propósito desta nossa prova e visita à Symington, soubemos que Peter Symington, hoje retirado e que foi o enólogo da empresa a partir da colheita de 1963, afirmou que sempre se lembrava de ver esses vinhos que, sendo Vintage, eram engarrafados mais tarde. E recordou-nos, por exemplo, os anos de 1954, 58 e 62, todos engarrafados 4 anos após a colheita; embora por norma estas declarações não coincidissem com as declarações dos vintages clássicos, houve excepções, como foi o caso do Dow’s 1945, um dos mais grandiosos vintages clássicos da marca, que também foi lançado como Late Bottled em 1949. Esta coincidência não é estranha, já que sabemos que a percentagem de vinho engarrafado como vintage é sempre muito pequena por comparação com o total da colheita. Pode até perguntar-se porque não aconteceu mais vezes o que aconteceu em 45.

Esta dicotomia entre Vintage e Vintage Late Bottled prestava-se a muita confusão. Havia tradições a manter mas havia que clarificar. Pode dizer-se que era uma tradição mal compreendida ou mal explicada.

Warre’s LBV

Charles Symington é o guardião do templo, onde as velhas garrafas repousam.

A nova era

E foi por causa dos mal-entendidos que mudou a legislação. A partir dos meados dos anos 60 tudo ficou mais claro. Segundo as regras então estabelecidas, não se poderia escrever Vintage em letras gordas e Late Bottled em segunda linha; tudo teria que ser no mesmo tamanho de letra, com a mesma cor e na mesma linha (que é o que vemos hoje nas garrafas); pode parecer um detalhe mas a ideia do legislador foi, creio, evitar a confusão do consumidor. A partir daqui haveria uma clara distinção entre Vintage …ano tal, e Late Bottled Vintage …ano tal. Foi então que começaram a surgir com mais frequência os LBV em dois modelos: um, por alguns chamado de “moderno”, ou seja, que correspondia a vinhos filtrados e estabilizados pelo frio antes do engarrafamento; outro, os não filtrados, que foram tendo vários nomes, como Traditional, Unfiltered e Late Bottled. O primeiro desta nova geração terá sido o Taylor’s 65 que surgiu no mercado em 1970. A mais recente actualização da legislação – Portaria nº 3, de 2022 – autoriza a designação Bottled Matured, Bottled Aged ou Envelhecido em Garrafa para os vinhos que tenham, pelo menos, três anos de estágio em garrafa. São designativos a mais, o que em nada ajuda o consumidor mas o sector do Vinho Porto é fértil neste campo…

Se somarmos os anos de estágio em madeira mais os três anos de estágio em garrafa temos assim vinhos que são colocados no mercado com uma idade entre os 7 e os 9 anos. No caso da família Symington, três marcas ficaram nos “modernos” – Cockburn’s, Graham e Dow’s – enquanto a Warre’s e Smith Woodhouse se conservaram no perfil mais clássico, não filtrados e vendidos, somando os anos de garrafa aos 4 obrigatórios, com um total de 10 a 12 anos de idade.

Entretanto no mercado surgiram alguns LBV de datas anteriores à legislação, de meados dos anos 60, o que veio confundir o consumidor, como o Burmester 1964 ou mesmo o muito antigo Ramos Pinto 1927. Ana Rosas, actual responsável dos vinhos do Porto desta casa disse-nos que este 27 foi o único que puderam provar e comprovar que cumpria os requisitos para se poder chamar LBV mas “a verdade é que todas as casas tinham vinhos deste tipo, eram vintages engarrafados mais tarde”, como nos confirmou. Tudo assim a assegurar que não foi a legislação de meados dos anos 60 que criou a categoria, antes se limitou a regulamentá-la.

O LBV moderno, filtrado e estabilizado, ganhou muito espaço em termos comerciais: é um vinho que aguenta perfeitamente um mês ou mais após a abertura da garrafa, não requer decantação e, assim, está sempre pronto a servir; isso faz dele um óptimo vinho para consumo na restauração. A Taylor’s, por exemplo, tem no seu LBV “moderno” o vinho que mais vende, ultrapassando o milhão de garrafas. E se dúvidas existirem sobre a qualidade destes LBV “modernos”, sugiro a prova do Taylor’s 2017 (Grandes Escolhas: 17 pontos/€15,90).

A originalidade dos LBV Warre’s e Smith Woodhouse decorre do tempo de estágio que têm e que vai além dos 3 anos Bottled Matured exigidos por lei. Têm por isso um lugar à parte na categoria. Relembro aqui várias provas feitas desde há década e meia em que, na categoria LBV, (e às cegas) as amostras Warre’s eras crónicas vencedoras. A esta originalidade junta-se o factor preço que, se compararmos com os vintages, não é só vantajoso, é altissimamente vantajoso para o consumidor.

Foi no final da década de 70 que a Symington começou a comercializar os LBV “modernos”, que foram ganhando força nos anos 80 e às suas marcas adicionou, depois de 2006, o LBV Cockburn’s. Entre Dow’s e Graham‘s a Symington faz 80 000 caixas de 12 garrafas. A quantidade Cockburn’s é residual.

 

Warre’s LBV

 

Notas de prova da vertical ( Nota: os preços não estão indicados pois as referências em questão já não se encontram no mercado, no entanto poderão ser úteis para quem adquiriu em tempos e ainda a guarda na garrafeira!)

18 A

Dow’s

Port LBV 1964

Magnífica cor topázio ainda com leves tons avermelhados. Aroma muito fino, muito focado nos licores de ervas, nos frutos secos, nas madeiras exóticas. Tudo suave e muito elegante. Muita classe na boca, com volume, imensa fruta, mas tudo ainda com muito nervo, um vinho que se mastiga, com grande prazer. Textura sedosa e glicerinada.

17 A

Warre’s

Porto LBV 1969

Engarrafado para o nascimento de Charles Symington. Ainda carregado na cor e com muito boa presença, mais discreto nos aromas, aqui com mais notas de compotas, tabaco e caixa de charutos.  Muito boa prova na boca, com bastante elegância, não muito complexo mas a dar muito prazer a beber, deixa um rasto longo e macio.

17,5 A

Warre’s

Porto LBV 1976

Tonalidades vermelhas com tons de mogno, aroma muito fino, clássicas notas de vintage, com fruta em calda, leves citrinos, tudo muito bem proporcionado. Na boca percebe-se que não é vintage, um pouco mais delgado de corpo mas está muito fino e pode dar imenso prazer se bebido agora. Alguma austeridade ainda marca presença. Classe pura.

17 A

Warre’s Traditional

Porto LBV 1981

Symington Family Estates

Bons tons vermelhos, ligeiro na concentração mas com muita pureza de frutos vermelhos, discreto mas correcto. Mais interessante na boca, com uma grande delicadeza aromática, com fruta em calda, licorados e com textura fina e muito atractiva. Perfeito para consumir agora com prazer.

17 A

Warre’s Bottled Aged

Porto LBV 1984

Pouca concentração na cor, aroma muito fiel às notas de vintage com evolução, com imensa classe. Delgado na boca, frágil mas com tudo no sítio no que respeita a aromas. É o tipo de vinho a que chamamos perfumado. Não vale pelo vigor da boca, vale pelo nariz subtil e delicado.

18,5 B

Warre’s Bottled Aged

Porto LBV 1992

Extraordinária concentração de cor, vigor excelente, aroma ainda muito concentrado, com tudo ainda por desenvolver. É um vinho que marca a fronteira entre os anteriores e esta geração mais vermelha, mais focada nos frutos pretos, mais estruturada. Tudo está em excelente forma e a mostrar que tem muitos anos pela ferente. A mesma sensação na boca, é um LBV que dá imenso prazer a beber, um assunto muito sério. Originalidade que se mantém até hoje.

18 B

Warre’s Bottled Aged

Porto LBV 1994

Inacreditável concentração de cor, um vinho fechado, tenso, com notas químicas que não nos revelam a idade. Ainda tem tudo por descobrir, sendo certo que as notas licoradas são de grande classe. Um vinho que surpreende. Grande prova de boca, com volume, um pouco menos de vigor do que o 92 na boca mas a dizer que temos vinho para décadas.

18 B

Warre’s Bottled Aged

Porto LBV 1995

Cor muito intensa, concentrado e rico, muito negro. No aroma está com notas finas de frutos negros (amoras e ameixas pretas), alguns licores mas com um estilo fechado e cheio de vigor. Muita esteva, amoras, tudo bem atractivo. Grande polimento na prova de boca, ainda com leves taninos que permitem mastigar o vinho, é um estilo cheio de força que assim permanecerá por muitos anos.

18 B

Warre’s Bottled Aged

Porto LBV 2000

Ainda está na fase ascendente, os aromas ainda não desdobraram, não se nota o envelhecimento. Por aqui estamos em frutas negras e chocolate negro. No estilo ainda fechado e pouco falador, é daqueles casos que é claramente para beber ou guardar. Nota de ginja, de fruta em calda, de mato seco, leve mentol em fundo. Muito bom o volume de boca, um perfil onde o vinho ainda se mastiga, bela textura, com anos pela frente.

17,5 A

Warre’s Bottled Aged

Porto LBV 2003

Muito interessante no aroma, concentrado, assenta sobretudo nos frutos negros, no chocolate negro, rico e muito texturado. Na boca está mais macio e envolvente do que o 2000, parece mais evoluído mas está a dar agora uma boa prova. Provavelmente para beber antes do 2000. Muitos licores, muito atractivo, a beber a solo ou com queijos secos.

17,5 C

Warre’s Bottled Aged

Porto Unfiltered LBV 2015

Ainda em cave a aguardar colocação do mercado. É uma pré prova. Nada no aroma nos diz que estamos perante um LBV e não um vintage: a concentração da cor, a própria tonalidade, escura e densa, tudo ainda fechado, à espera que o tempo em garrafa faça a sua acção. É na boca, pela textura mais macia e sedosa que podemos adivinhar que se trata de um LBV. É um vinho concentrado e rico, que precisará de tempo para se mostrar.

18 C

Warre’s Bottled Aged

Porto Unfiltered LBV 2017

Pré-prova, está ainda na cave da empresa. Muito químico no aroma, muita pimenta, muito estilo Warre’s, pleno de fruta negra, com tudo ainda por desenvolver. Na boca mostra uma bela textura, um perfil fino e bem conseguido, sentindo-se ainda alguns taninos mas já com o perfil macio e elegante que o tempo em casco lhe permitiu.

(Artigo publicado na edição de Junho de 2022)

Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário