Grande Prova

Lisboa e os seus tintos

De Colares a Leiria estamos na região de Lisboa. Os seus melhores tintos procuram agora afirmar-se como referências, deixando para trás o paradigma que durante muitos anos esteve associado à região: granel e vinhos baratos. Numa Lisboa com evidente diversidade, o potencial para a grandeza está lá e começa a ser descoberto pelos apreciadores.

TEXTO João Paulo Martins
FOTOS Ricardo Palma Veiga

Fazer uma prova de vinhos tintos da região de Lisboa, outrora conhecida com Estremadura, resulta num encontro entre mundos diferentes, entre passado e futuro. A região é demasiado extensa para poder ser considerada uma unidade territorial com pontos de contacto a unir as várias zonas que a integram. Quando se fez a demarcação da região em sub-regiões terá sido esta diversidade que esteve na mente do legislador, para além das rivalidades regionais. Criaram-se então múltiplas sub-regiões com identidade e uniformidade próprias. Para além das clássicas e antigas regiões à volta da cidade de Lisboa (Colares, Bucelas e Carcavelos), a região desdobrou-se depois em várias sub-regiões: Alenquer, Arruda, Torres Vedras, Óbidos, Encostas d’Aire, Lourinhã e Alta Estremadura.
De tão vasta região chegam vinhos tão diferentes que vão dos antigos e famosos vinhos de Colares, Bucelas e Carcavelos até ao Vinho Leve e às aguardentes da Lourinhã. Mas, apesar das várias sub-regiões, a região de Lisboa é sobretudo produtora de vinhos com a indicação Vinho Regional. Esta categoria é bem mais maleável em termos de castas e procedimentos e terá sido essa a razão que levou a maioria dos produtores a adoptarem esta designação e não a DOC (Denominação de Origem Controlada), o que é evidente nos vinhos provados: para além de dois vinhos de Colares, somente três pertencem à denominação Óbidos; das outras sub-regiões não chegaram representantes à nossa mesa.
A região como um todo continua muito ligada à produção de vinho a granel, mas agora é possível exportar vinho a granel com Indicação Geográfica (IG) e engarrafada no destinatário com supervisão da CVR. Mesmo no mercado interno é normal que circule vinho entre regiões, uma vez que a designação Vinho Regional autoriza que 15% do lote seja de fora da região. Para António Ventura, enólogo com larga experiência na região, Lisboa tem de “fazer melhor e subir preços médios, porque é muito mau para a região que ela esteja colada ao estigma de vinhos baratos, ainda que muito bons”. O crescimento das exportações tem sido constante e, ainda segundo Ventura, os provadores e wine writers internacionais que provam os vinhos acham escandalosamente baixos os preços a que são oferecidos no mercado externo. Assim sendo, há que cambiar o paradigma da região: em vez de ser terra sobretudo produtora de “vinhos de entrada de gama”, há que mostrar valor acrescentado nos vinhos e subir preços.

Uma região e tanto

Lisboa é terra de vinho. Segundo dados do IVV, a região de Lisboa teria, em 2017, 18.641 hectares (ha) de vinha. Destes, apenas 1.041 estão inscritos para a produção de vinhos com direito a DOC e 7.255 para a produção de Vinho Regional. O site da CVR tem números diferentes, especialmente no total, referindo mais de 30.000ha! No site referem-se ainda as antigas e clássicas regiões à volta de Lisboa: 17ha em Colares, 10 em Carcavelos e 142 em Bucelas. Por outro lado, a região da Lourinhã, onde só as aguardentes têm direito à Denominação de Origem, integra 50ha de vinhas. Em 2018 (ainda sem números definitivos) a região chegará aos 100 milhões de litros produzidos e aos 50 milhões de garrafas, com um aumento significativo de 18% em relação a 2017. Lisboa é, segundo Carlos Pereira da Fonseca, produtor e vogal da Direcção da CVR, a segunda região que mais produz a seguir ao Douro e a que mais exporta, absorvendo o mercado externo cerca de 80% da produção. Outrora bem mais numerosas, as adegas cooperativas em laboração, são actualmente nove, contando-se alguns gigantes, como S. Mamede da Ventosa, Azueira ou Labrujeira; outras bem pequenas, como Alcobaça, Batalha, Cadaval ou Vermelha; e duas de média dimensão, Dois Portos e Carvoeira.
J.P.M.

Mudar ou conservar?
A região teve inicialmente de repensar os seus encepamentos quando criou as denominações de origem. Muitas das castas estavam vocacionadas para a produção excessiva, contando sobretudo a quantidade em detrimento da qualidade. Basta uma vista de olhos na listagem de castas autorizadas na região, sobretudo para a produção de Vinho Regional, para se perceber que é quase tudo possível, mas que estamos perante uma ficção: a maioria das castas não existe ou está em extinção e são as novas castas, muitas delas internacionais ou vindas de outras regiões nacionais, que acabaram por vingar.
No caso dos tintos será que alguém se arrisca a colocar no mercado um tinto de lote com a participação das variedades Amostrinha, Cabinda, Preto Cardana e Tintinha? E, mesmo que se disponha a isso, encontrará plantas para iniciar o projecto? Ao lado destas castas que hoje não têm mais do que um interesse meramente ampelográfico, chegaram à região as variedades que hoje todos plantam: Syrah, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Touriga Franca, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon, Caladoc e, em algumas zonas, Pinot Noir.
O perfil está assim a mudar, ainda que castas como o Castelão devam ser mantidas. É essa a opinião de Sandra Tavares da Silva, enóloga em Chocapalha, onde mantém cerca de 7ha de Castelão, agora com 30 anos. Já em relação à Tinta Miúda, decidiram “arrancar porque apodrecia facilmente”, mas em relação a outras tiveram de “ter paciência, porque a Touriga Franca, por exemplo, só agora com 15 anos de idade é que começou a mostrar o que vale e o Alicante Bouschet funciona muito bem, mas somente nas vinhas velhas”.
Também António Ventura vem em defesa do Castelão, que vê como “casta altamente diferenciadora e que merece continuar a fazer parte dos encepamentos”: “A Tinta Miúda, outrora tão vulgar em Arruda, precisa de condições especiais de calor para se dar bem, mas era uma boa casta. Já a Caladoc, cada vez mais vulgar, parece-me ser casta que não acrescenta qualquer valor aos vinhos da região; para além de produzir muito, é bastante atípica e favorece apenas os vinhos de entrada de gama. Das novas que aqui chegaram, sem dúvida que a Syrah foi a que melhor se mostrou e essa é para continuar, mas a aposta deverá ser sobretudo nas castas portuguesas, já que é daí que vem a diferenciação”, disse.
Os pontos fortes da região de Lisboa são conhecidos e sublinhados por Sandra: uma frescura muito grande nos mostos, quer brancos quer tintos, maturações fenólicas mais integradas, acidez bem equilibrada. Os tintos são estáveis e com boa longevidade, todos beneficiando do clima ameno e das maturações prolongadas, tão habituais na região que levam a que as vindimas se estendam bem mais no tempo do que em outras zonas do país.
Por vezes mais referida como região de brancos, Lisboa tem excelentes condições para os tintos e disso foi prova este conjunto de vinhos agora provados. Cá continuam os originais e “fora do baralho” tintos de Colares, que são sempre vinhos que precisam de ser enquadrados para melhor serem apreciados. Os estilos possíveis são muitos, as combinações de castas também. Tudo a favor de tintos com grande aptidão gastronómica e boa capacidade para resistir à cave e ao tempo.
Muito há ainda por fazer e por mudar (a começar pelo website da CVR Lisboa, assustadoramente desactualizado, até na imagem que dá da região), mas o potencial, natural e humano, está todo lá.

Em prova
  • Quinta do Cerrado da Porta
    Regional Lisboa, Grande Reserva, Tinto, 2015

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa das Gaeiras Vinhas Velhas
    Òbidos, Reserva, Tinto, 2015

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Chocapalha Vinha Mãe
    Regional Lisboa, Tinto, 2013

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de Pancas
    Regional Lisboa, Grande Reserva, Tinto, 2013

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Barca do Inferno
    Regional Lisboa, Reserva, Tinto, 2017

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • APF
    Òbidos, Grande Escolha, Tinto, 2011

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de Sant’Ana
    Regional Lisboa, Touriga Nacional, Tinto, 2012

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de São Bartolomeu
    Regional Lisboa, Tinto, 2015

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Boição Vinhas Velhas
    Regional Lisboa, Grande Reserva, Tinto, 2014

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Brutalis
    Regional Lisboa, Alicante Bouschet e Cabernet Sauvignon, Tinto, 2015

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Calhandriz Premium
    Regional Lisboa, Tinto, 2017

    15.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Cabo da Roca
    Regional Lisboa, Cabernet Sauvignon, Tinto, 2015

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Touriz
    Regional Lisboa, Tinto, 2013

    16.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Rol
    Regional Lisboa, Pinot Noir, Reserva, Tinto, 2009

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casal Sta. Maria
    Colares, Ramisco, Tinto, 2008

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vale da Mata
    Regional Lisboa, Reserva, Tinto, 2014

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Várzea da Pedra
    Regional Lisboa, Reserva, Tinto, 2015

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vinha do Carmo
    Regional Lisboa, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Zavial Single Vineyard
    Òbidos, Syrah, Reserva, Tinto, 2015

    16.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Colares
    Colares, Ramisco, Tinto, 2011

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Boa Esperança
    Regional Lisboa, Alicante Bouschet, Tinto, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de S. Sebastião
    Regional Lisboa, Merlot e Sousão, Grande Escolha, Tinto, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Pinto
    Regional Lisboa, Grande Escolha, Tinto, 2013

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Monte d’Oiro
    Regional Lisboa, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Rendeiro
    Regional Lisboa, Grande Escolha, Tinto, 2015

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Calçada Velha
    Regional Lisboa, Tinto, 2016

    15.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dory
    Regional Lisboa, Reserva, Tinto, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição Nº21, Janeiro 2019

Escreva um comentário