Notícias Vinho

Ilha do Pico, toda a frescura do Atlântico

By 30 Janeiro, 2019 Sem comentários

Os vinhos brancos dos Açores já andam no radar de muitos consumidores. Com as novas monocastas da Cooperativa da Ilha do Pico vai ser ainda mais difícil passar ao lado da frescura salina proveniente do coração do Atlântico Norte.

TEXTO Nuno de Oliveira Garcia
FOTOGRAFIAS José Carlos Silva

O telemóvel de Bernardo Cabral tocou faz pouco mais de ano e meio e com ele surgiu o convite da Cooperativa Vitivinícola da Ilha do Pico. Foi o tempo de o enólogo se lembrar das conversas que tinha mantido meses antes com o produtor e também enólogo António Maçanita, grande entusiasta dos vinhos açorianos e sócio de um projeto na Ilha do Pico… Imediatamente depois, sem hesitar portanto, Bernardo aceitou o convite e o desafio de ir fazer vinhos para mais uma nova região no seu currículo, mas desta feita não uma região qualquer.
Bernando chega ao Pico e fica no estado em que todos os que chegam ao Pico ficam: apaixonado pela montanha e pelo vulcão, seduzido pela pacatez da vida local, e completamente devoto aos vinhedos da ilha que, tal como sucede nos demais elementos do arquipélago, se espraiam defronte do mar protegidos da ventania e dos sais marinhos por currais, autênticos retângulos de solo de dois metros de largura e pouco mais de comprimento, ladeados por muros de um metro de altura. Tenho para mim que, mesmo que os vinhos da ilha do Pico não fossem o que são (belíssimos, adiante-se), já valeria a pena a viagem e estadia neste local tão especial, pela mera observação dos vinhedos e pela magnífica natureza que os rodeiam. A mesma opinião deve ter tido a UNESCO que, em 2004, reconheceu e classificou a área de vinha da ilha como Paisagem Protegida de Interesse Regional da Cultura da Vinha, elevando-a ao estatuto de Património Mundial da Humanidade.

Sucede que, como em tantas regiões esbeltas no mundo, a beleza da natureza convive com a excelência do vinho aí produzido. De tal forma isso é verdade na ilha do Pico que a fama do seu vinho tem longa data, e não há muitos séculos o vinho era uma das principais culturas da ilha, cujo apogeu se estima ter sido em pleno século XVIII, com exportações para Inglaterra, Brasil, Alemanha (Hamburgo) e Rússia. Por isso, é abundante a área de plantação, com parte ainda abandonada, espalhada por toda a superfície circundante à vila da Madalena, com destaque para as terras da Criação Velha e Candelária, e Lagido de Santa Luzia até São Roque.
Em meados do século XIX, devastadores ataques de oídio castigaram as vinhas das ilhas açorianas, tendo os agricultores da região optado por replantações de espécies vindas da América, mais resistentes à doença. Se é verdade que com as novas vinhas americanas o oídio amenizou, também o é que com elas surgiu a praga da filoxera, autêntico golpe final nas aspirações dos produtores açorianos até ao início do século XX.

A morte de muitos vinhedos, e a substituição por algumas castas tintas menos propícias ao clima específico das ilhas açorianas, bem como as dificuldades genéricas da produção de vinho nas ilhas do Atlântico, fez com que uma parte significativa dos vinhedos acabasse ao abandono. Hoje, apesar da recuperação nos últimos anos, ainda são visíveis muitos currais abandonados à espera de serem retomados.

CRIAÇÃO DE VALOR
Em meados do século XX (1949) é criada a Cooperativa da Ilha do Pico, que, mesmo num cenário de dificuldades naturais, se conseguiu manter em produção ininterrupta graças a um número significativo de produtores, quase sempre proprietários de pequeníssimas quantidades de terra (em muitos casos, com menos de 0,5ha). Recentes incentivos relevantes à plantação de vinha, e a expectativa de um potencial mercado cada vez mais sedento de vinhos diferenciadores, fez com que a área de vinha tenha quadruplicado nos últimos anos.
Aguarda-se que, dentro de três a cinco anos, quando a totalidade das vinhas estiverem em produção, a ilha terá cerca de 1000 hectares em pleno funcionamento. Até lá, é bem visível um clima de concorrência e de corrida às uvas existentes (sobretudo em anos de pouca produção), o que não espanta dada a qualidade das mesmas, o que se reflecte no preço. As uvas mais caras são as de Terrantez, com valores próximos, e por vezes mesmo superiores, a €4 o quilo. Trata-se de um valor único no panorama nacional, no qual o quilo de uvas raramente ultrapassa o valor de €1 nas castas mais valorizadas, como o Antão Vaz ou o Alvarinho no continente.

A par da Cooperativa, que se mantém como o maior produtor dos Açores, com mais de 200 membros, encontramos na ilha do Pico outros operadores vinícolas, como Curral Atlantis ou Cancela do Porco (Ancoradouro), e ainda Czar e Azores Wine Company (na qual António Maçanita é sócio e enólogo). Quanto a estes últimos, é justo dizer que o produtor Czar replica com mestria os vinhos licorosos que deram fama à ilha, projectando-os a um nível muito alto e exportando-os para os quatro cantos do mundo, e a Azores Wine Company tem sido um dos mais importantes dinamizadores para o negócio na ilha, introduzindo novos conceitos e conquistando público jovem nas ilhas e no continente.
Em todo o caso, o papel de principal produtor da ilha tem cabido à Cooperativa, que, com a chegada de Bernardo Cabral, viu os seus vinhos aumentarem tremendamente de qualidade. O enólogo confidenciou-nos que está radiante com este novo projeto, o que comprovámos em visita recente à adega. Falando da adega, podemos atestar que a mesma está muito bem apetrechada, com vários equipamentos modernos, sendo que o presidente Losménio Goulart estima poder haver ligeiros investimentos para a tornar ainda mais eficiente.
Quer Losménio quer Bernando Cabral destacam como mais-valia a dedicação dos membros da Cooperativa que entregam com orgulho as uvas que cuidam durante todo o ano. Sinal disso é o próprio ‘braço direito’ de Bernardo, o adegueiro Humberto, que é simultaneamente sócio da Cooperativa e que, com algum justificado envaidecimento, nos disse que as ‘suas’ uvas entram no fantástico lote do Terrantez monocasta agora apresentado.
A gama da Cooperativa passa por brancos e tintos e, a partir de 1997, começou a contar também com licorosos (marca Lajido). Talvez o vinho mais conhecido da empresa seja o Frei Gigante, um branco que se revela sempre muito afinado e é feito a partir do blend das castas brancas da ilha. Na colheita de 2017, a Cooperativa e o seu enólogo decidiram dar um passo à frente e subir a parada com a apresentação de três monocastas que se posicionam um patamar acima do Frei Gigante. Todos muito bons, mantendo a tipicidade do terroir e com uma limpidez e foco acima da média, mas destaque inevitável para o Terrantez, um branco incrível que, logo na sua primeira edição, se posiciona a um nível excelente. O facto de se tratarem de pouco mais de 800 garrafas torna-o uma raridade a não perder. No futuro próximo é esperada ainda uma reorganização das marcas existentes, e uma aposta em novos conceitos de licorosos que ainda estão por desvendar.

Em todo o caso, o papel de principal produtor da ilha tem cabido à Cooperativa, que, com a chegada de Bernardo Cabral, viu os seus vinhos aumentarem tremendamente de qualidade. O enólogo confidenciou-nos que está radiante com este novo projeto, o que comprovámos em visita recente à adega. Falando da adega, podemos atestar que a mesma está muito bem apetrechada, com vários equipamentos modernos, sendo que o presidente Losménio Goulart estima poder haver ligeiros investimentos para a tornar ainda mais eficiente.
Quer Losménio quer Bernando Cabral destacam como mais-valia a dedicação dos membros da Cooperativa que entregam com orgulho as uvas que cuidam durante todo o ano. Sinal disso é o próprio ‘braço direito’ de Bernardo, o adegueiro Humberto, que é simultaneamente sócio da Cooperativa e que, com algum justificado envaidecimento, nos disse que as ‘suas’ uvas entram no fantástico lote do Terrantez monocasta agora apresentado.
A gama da Cooperativa passa por brancos e tintos e, a partir de 1997, começou a contar também com licorosos (marca Lajido). Talvez o vinho mais conhecido da empresa seja o Frei Gigante, um branco que se revela sempre muito afinado e é feito a partir do blend das castas brancas da ilha.

Na colheita de 2017, a Cooperativa e o seu enólogo decidiram dar um passo à frente e subir a parada com a apresentação de três monocastas que se posicionam um patamar acima do Frei Gigante. Todos muito bons, mantendo a tipicidade do terroir e com uma limpidez e foco acima da média, mas destaque inevitável para o Terrantez, um branco incrível que, logo na sua primeira edição, se posiciona a um nível excelente. O facto de se tratarem de pouco mais de 800 garrafas torna-o uma raridade a não perder. No futuro próximo é esperada ainda uma reorganização das marcas existentes, e uma aposta em novos conceitos de licorosos que ainda estão por desvendar.

Em prova
  • Ilha do Pico Terroir Vulcânico
    Pico, Verdelho, Branco, 2017

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ilha do Pico Terroir Vulcânico
    Pico, Terrantez, Branco, 2017

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ilha do Pico Terroir Vulcânico
    Pico, Arinto, Branco, 2017

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição Nº18, Outubro 2018

Escreva um comentário