Notícias Vinho

Reguengos Garrafeira dos Sócios – A desafiar preconceitos

By 9 Setembro, 2019 Sem comentários

Fizemos a proposta à CARMIM e foi aceite de imediato: uma vertical desta marca que sempre se assumiu como o topo de gama da Cooperativa Agrícola de Reguengos de Monsaraz. O resultado foi surpreendente e contraria os que defendem que os vinhos do Alentejo são para ser apreciados enquanto jovens.

TEXTO João Paulo Martins                     FOTOS Mike The Axe

A CARMIM, mais do que uma adega cooperativa é uma Cooperativa Agrícola. A diferença tem razão de ser porque uma grande percentagem dos sócios não é produtora de uva mas sim de azeitona. Estamos em terras quentes e onde dominam as culturas de sequeiro. Essa característica foi de resto determinante para que, apesar da proximidade com a albufeira do Alqueva, Reguengos ficasse inicialmente fora do perímetro de rega. Há então cerca de 45% dos produtores que só fazem viticultura de sequeiro. A água da albufeira só chegará em 2022, segundo Miguel Feijão, presidente da CARMIM. Viticultura de sequeiro significa também que a produtividade é muito baixa, não chegando às seis toneladas/hectare. Já o olival não tem conhecido grande expansão porque “não há terrenos livres e os que há são de muito pequena dimensão; encontrar um terreno livre de 10 hectares é um luxo”, lembra o presidente, também ele viticultor.

A CARMIM tem há 15 anos um posto de enoturismo que recebe muitos visitantes (6.000 por ano) e uma loja no centro da vila onde a venda de produtos é até mais forte do que na própria cooperativa. Miguel Feijão diz também, com orgulho que “toda a electricidade que gastamos é produzida por nós em placas foto-voltaicas e nas nossas instalações vinificamos cerca de 20 milhões de quilos de uva, numa laboração muito planeada que nos permite fazer vinhos de perfis e estilos muito diferenciados. Somos também dos maiores exportadores do Alentejo”.

Há muitos anos a dirigir a enologia está Rui Veladas, agora coadjuvado por Tiago Garcia que esteve anteriormente na Herdade das Servas. São 3,300 hectares de vinha que têm de apoiar e todos os anos há entre 200 e 300 ha a serem reconvertidos. Por aqui ainda existem muitas vinhas com castas antigas, como Tamarez, Moreto, Periquita e Carignan e, nas vinhas velhas de castas misturadas também aparece o Alicante Bouschet. Foi na sequência da identificação de vinhas velhas com as antigas castas da região que nasceu o tinto Primitivo, um vinho sem barrica de que se fizeram 10.000 garrafas. Há alguns vinhos varietais e um vinho de parcela (ainda sem nome) que incorporará Alicante Bouschet, Aragonez e Trincadeira de vinhas dos anos 80. Nos brancos a CARMIM apronta um Verdelho (que Rui Veladas fez questão de salientar que não é Gouveio) e vai haver um re-lançamento do espumante. Os vinhos “de combate” mantêm-se, com as marcas Reguengos e Terras d’el Rei.

Ao contrário do que vêm fazendo vários produtores da região, a cooperativa ainda não decidiu engarrafar vinhos de talha; já têm dois anos de experiência mas não há lançamentos previstos até porque só há duas ta-lhas preparadas. Estágio em ânfora “talvez possa ser interessante, vamos ver”, confessa Rui Veladas. Ao contrário de outras cooperativas, a CARMIM certifica praticamente tudo o que produz, ou seja, mais de 15 milhões de garrafas.

UMA MARCA COM HISTÓRIA

O Garrafeira dos Sócios é o mais clássico vinho da casa e foi durante muito tempo um ex-libris do Alentejo, com a fama a justificar o crescimento do número de garrafas produzidas em cada colheita. Antes, houve outros vinhos, claro, como o Reguengos de Monsaraz 1972, o primeiro tinto da cooperativa e que também provámos.

O 1972, que não tem teor alcoólico indicado no rótulo, foi feito por Paulo Lourenço, um enólogo da antiga Junta Nacional do Vinho e que apoiou tecnicamente várias cooperativas alentejanas quando da sua fundação. Foi o primeiro vinho da adega. Quanto a castas, é muito provável que tenha Moreto, Periquita (Castelão), Tinta Caiada, entre outras.

O 1982, sem as indicar, diz que foi feito com “castas recomendadas” e no rótulo ainda menciona “vinho do Rei”. João Portugal Ramos entrou na cooperativa em finais dos anos 80, coincidindo com o crescimento de notoriedade da marca Garrafeira dos Sócios.

O 1989 é o primeiro vinho a surgir com a então muito recente denominação de origem Alentejo (VQPRD) e deixa ao mesmo tempo de se chamar Terras d’el Rei. Foi feito em depósitos de cimento e balseiros, uma vez que a adega, na época, ainda não possuía cubas inox.
Como curiosidade, refira-se que na prova efectuada verificámos que os vinhos dos anos 80 quase não deixam depósito na garrafa, ao contrário dos da década de 90 que mostram imensa precipitação. Não temos uma explicação conclusiva para esse facto.

A partir da colheita de 2001 o Garrafeira dos Sócios passa a centrar-se nas castas Trincadeira e Aragonez, com um toque de Cabernet Sauvignon. O 2003 é o primeiro a assumir a DOC Alentejo. Finalmente, desde a colheita de 2011 o vinho tem menos Trincadeira e Aragonez e mais Alicante Bouschet.

No conjunto, a prova do Reguengos Garrafeira dos Sócios revelou-se uma excelente surpresa que evidenciou o potencial da região do Alentejo para fazer vinhos que desafiam o tempo. E derrubam pre-conceitos…

  • Reguengos Garrafeira dos Sócios
    Sem DO / IG, Tinto, 1982

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios
    Alentejo, Tinto, 2012

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Terras d’el Rei Garrafeira dos Sócios
    Sem DO / IG, Tinto, 1988

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios VQPRD
    Alentejo, Tinto, 2002

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios VQPRD
    Alentejo, Tinto, 2000

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos de Monsaraz
    Sem DO / IG, Tinto, 1972

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios
    Alentejo, Tinto, 2011

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Terras d’l Rei Garrafeira dos Sócios
    Sem DO / IG, Tinto, 1984

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios VQPRD
    Alentejo, Tinto, 1993

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios VQPRD
    Alentejo, Tinto, 2001

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios VQPRD
    Alentejo, Tinto, 1995

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios VQPRD
    Alentejo, Tinto, 1996

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios VQPRD
    Alentejo, Tinto, 1994

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios
    Alentejo, Tinto, 2013

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Terras d’el Rei Garrafeira dos Sócios
    Sem DO / IG, Tinto, 1987

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios
    Alentejo, Tinto, 2014

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios VQPRD
    Alentejo, Tinto, 1989

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios
    Alentejo, Tinto, 2003

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Garrafeira dos Sócios VQPRD
    Alentejo, Tinto, 1998

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor

Escreva um comentário